Ganhe R$20 de desconto na primeira corrida com a 99Taxi!

Tag: mint

Apt-get com proxy no Linux Mint, Ubuntu e Debian

Se você estiver tentando atualizar ou instalar aplicativos utilizando o apt e receber erros como esses:

Ign:55 http://archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe i386 Packages
Err:123 http://security.ubuntu.com/ubuntu xenial-security/main amd64 Packages
407 Proxy Authentication Required

Provavelmente o problema é causado porque você está por trás de um proxy de rede e não está autenticado nele.

Para conseguir executar o comando desejado, basta incluir a opção “Acquire” no comando, como no exemplo abaixo:

sudo apt-get -o Acquire::http::Proxy=”http://usuario:senha@proxy:porta” update

Fonte: https://forums.linuxmint.com/viewtopic.php?t=137533


Compatibilidade do Notebook DELL I14-5448-C25 e do Wi-Fi Intel 7265

Comprei um Notebook Notebook DELL I14-5448-C25, que vem com a placa Wi-Fi Intel 7265, recentemente, e estou escrevendo esse post apenas para registrar que ele não é compatível com o Linux (especificamente o Linux Mint).

Com isso quero dizer que, se você instalar o Linux Mint 17 nele, nem tudo vai funcionar automaticamente, em especial a placa wi-fi e a placa de rede.

A placa wi-fi chega a conectar, mas fica totalmente instável, com conexão lenta e perda de pacotes após alguns minutos, até que eventualmente para de funcionar até que você reinicie a placa.

O que eu gostaria de escrever nesse post é como fazer pra que ela funcione corretamente. E para isso pesquisei em vários fóruns, que davam várias sugestões (links abaixo). Como tentei muitas coisas diferentes, é difícil dizer o que realmente funcionou, e para ter certeza do que funcionou, eu teria que reinstalar o Linux Mint (coisa que nesse momento exato não tenho tempo para fazer).

Como não queria que toda a pesquisa passasse em branco, resolvi fazer esse post para que sirva de guia pra quem tiver o mesmo problema.

O que consegui na verdade não foi a solução do problema, e sim uma solução de contorno.

As placas WI FI modernas vem com suporte a 3 padrões diferentes (B, G e N). Para fazer funcionar, tive que desativar o suporte ao padrão N, com conexões mais rápidas, porque supostamente é aí que reside o bug que faz a placa ficar instável. O efeito colateral disso é que a conexão máxima seria do padrão G (54Mbps). Mas como dificilmente me conecto em uma rede maior que isso, pra mim não faz tanta diferença.

Outra coisa que fiz e talvez ajude foi atualizar para o Kernel 4.5. Também desativei o modo de economia de energia, o que também deve ter ajudado.

Quando instalei o Kernel novo, o monitor, que antes ficava com um brilho bem baixo, também começou a funcionar corretamente.

O problema que realmente não consegui resolver ainda foi a placa de rede (Ethernet, cabeada) que não funciona.

Se alguém identificar a solução mais efetiva para o problema do WI-FI e da Ethernet, peço encarecidamente que compartilhe aqui nos comentários. Adicionarei ao artigo com os devidos créditos.

Segue abaixo todos os links que utilizei, para referência:


Instalando o Kernel 4.5 no Linux Mint, Ubuntu e Debian rapidamente

Essa é uma daquelas dicas rápidas. Então vamo lá:

Acesse o terminal (CTRL + ALT + T).

Para Kernel de 32 bits, digite o comando:

cd /tmp; wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-headers-4.5.0-040500-generic_4.5.0-040500.201603140130_i386.deb http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-headers-4.5.0-040500_4.5.0-040500.201603140130_all.deb http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-image-4.5.0-040500-generic_4.5.0-040500.201603140130_i386.deb; sudo dpkg -i *.deb

Para Kernel de 64 bits, digite o comando:

cd /tmp; wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-headers-4.5.0-040500-generic_4.5.0-040500.201603140130_amd64.deb http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-headers-4.5.0-040500_4.5.0-040500.201603140130_all.deb http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.5-wily/linux-image-4.5.0-040500-generic_4.5.0-040500.201603140130_amd64.deb; sudo dpkg -i *.deb

Depois você precisa atualizar o GRUB:

sudo update-grub

E reiniciar o computador:

sudo reboot

Pronto! Está tudo atualizado! 🙂

Informações adicionais:

Pra saber a versão atual do Kernel, digite:

uname -r

Caso queira remover o Kernel instalado:

sudo apt-get purge linux-image-4.5-*

E em seguida atualize o GRUB novamente

sudo update-grub

Você pode escolher usar uma das versões anteriores quando iniciar o sistema.

Esse tutorial foi testado no Linux Mint 17, mas a principio funciona no Debian e Ubuntu sem problemas.

Fonte: https://mintguide.org/system/584-install-linux-kernel-4-5-stable-on-linux-mint.html


Como instalar o mod_rewrite para PHP do Apache2 no Linux

Para instalar o mod_rewrite no Ubuntu ou Linux Mint, abra o terminal (CTRL + ALT + T) e digite:

sudo a2enmod rewrite
service apache2 restart

Pronto!

Se você executar o primeiro comando novamente, o sistema confirmará que o mod_rewrite já está ativo com a seguinte mensagem:

Module rewrite already enabled

Testado no Linux Mint 17, e deverá funcionar também no Ubuntu 14.04

Fonte: https://www.digitalocean.com/community/tutorials/how-to-set-up-mod_rewrite-for-apache-on-ubuntu-14-04


Configurando Proxy pelo Terminal no Linux Mint e Ubuntu para utilizar o apt-get

Se você está em uma rede em que um proxy precisa ser configurado manualmente e não está conseguindo utilizar o apt (Exemplo: apt-get update) no Linux Mint ou Ubuntu, pode ser necessário configurar manualmente o Proxy. Sendo assim, execute os abaixo no Terminal (CTRL + ALT + T):

No Linux Mint:

sudo pluma /etc/apt/apt.conf

No Linux Ubuntu:

sudo gedit /etc/apt/apt.conf

Se o proxy POSSUI usuário e senha, coloque o seguinte conteúdo no arquivo:

Acquire::http::proxy "http://Usuario:Senha@Servidor:Porta/";
Acquire::https::proxy "https://Usuario:Senha@Servidor:Porta/";
Acquire::ftp::proxy "ftp://Usuario:Senha@Servidor:Porta/";
Acquire::socks::proxy "socks://Usuario:Senha@Servidor:Porta/";

Se o proxy NÃO POSSUI usuário e senha, coloque o seguinte conteúdo no arquivo:

Acquire::http::proxy "http://Servidor:Porta/";
Acquire::https::proxy "https://Servidor:Porta/";
Acquire::ftp::proxy "ftp://Servidor:Porta/";
Acquire::socks::proxy "socks://Servidor:Porta/";

Pronto. Agora seu proxy está funcionando! Dúvidas? Pergunte nos comentários!

O procedimento foi testado no Linux Mint 17

Fonte: http://community.linuxmint.com/tutorial/view/2002


Instalando o PostgreSQL no Linux Mint ou Ubuntu

Para instalar o PostgreSQL no Linux Mint ou Ubuntu, primeiramente você precisa criar um arquivo "source" para ser utilizado com o apt-get.

Abra o Terminal (CTRL + ALT + T) e digite:

sudo touch /etc/apt/sources.list.d/pgdg.list

Depois edite o arquivo com o editor de sua preferência. Usarei o pluma (Linux Mint). No Ubuntu você pode usar o gedit.

sudo pluma /etc/apt/sources.list.d/pgdg.list

A configuração abaixo serve para o Linux Mint 17 ou Ubuntu 14.04 (Trusty). Caso esteja utilizando outra versão, será necessário utilizar o repositório adequado. Dentro do arquivo, coloque o seguinte conteúdo:

deb http://apt.postgresql.org/pub/repos/apt/ trusty-pgdg main

Salve o arquivo e digite as seguintes linhas (uma por uma):

sudo apt-get install wget ca-certificates -y
wget --quiet -O - https://www.postgresql.org/media/keys/ACCC4CF8.asc | sudo apt-key add -
sudo apt-get update -y
sudo apt-get upgrade -y
sudo apt-get install postgresql-9.4 pgadmin3 -y

Note que a linha "sudo apt-get upgrade -y" pode demorar bastante. O parâmetro -y serve para que não sejam feitas perguntas (sim para tudo).

Pronto! O PostgreSQL está instalado. Para este artigo foi utilizado o PostgreSQL 9.4 e o Linux Mint 17.

Agora você vai precisar definir uma senha para o PostgreSQL e em seguida pode começar a utilizá-lo!

Fonte: http://www.codeproject.com/Articles/898303/Installing-and-Configuring-PostgreSQL-on-Linux-Min

 


Como adicionar fontes TTF do Windows (Arial, Times New Roman etc.) no Linux Mint

Para adicionar as fontes TTF do Windows no Linux Mint, basta executar os seguintes comandos no Terminal (Menu Principal / Acessórios / Terminal):

sudo apt-get update
sudo apt-get install ttf-mscorefonts-installer

Com isso serão instaladas as fontes:

  • Andale mono
  • Arial black
  • Arial (bold, italic, bold italic)
  • Comic Sans MS (bold)
  • Courier New (bold, italic, bold italic)
  • Georgia (bold, italic, bold italic)
  • Impact
  • Times New Roman (bold, italic, bold italic)
  • Trebuchet (bold, italic, bold italic)
  • Verdana (bold, italic, bold italic)
  • Webdings

Fonte: http://community.linuxmint.com/software/view/ttf-mscorefonts-installer


Problema ao tocar músicas e vídeos no Linux Mint 13 Maya (Mate): tudo acelerado

Estava com esse problema e como encontrei a solução (que é bem simples) resolvi compartilhar.

Como o Linux Mint 13 Maya é baseado no Ubuntu 12.04, provavelmente a mesma dica irá funcionar no Ubuntu.

No meu caso, o problema estava no driver de áudio. Para resolver, bastou acessar:

  • Menu Principal / Sistema / Preferências / Som

E de lá, na aba Saída (OUTPUT), marcar o driver de áudio interno (ou internal, ou built in), como na imagem abaixo:

 

 

E pronto!

Fonte: http://www.hanckmann.net/?q=high_speed_video_and_no_audio_in_linux


Resolvendo problema com Amarok no Linux: Após pausar música, volume volta em 100%

Essa é uma dica rápida pra quem está passando por esse problema. Aconteceu comigo e após uma pequena pesquisa, consegui resolver.

O procedimento foi testado no Linux Mint Debian Edition, mas deverá funcionar normalmente no Ubuntu e Debian.

Pelo que pesquisei, o problema não é no Amarok, mas sim no Phonon, que é uma API multimídia criada para abstrair o gerenciamento multimídia no KDE. Além de outras coisas, isso faz com que o Amarok possa funcionar no Windows e MacOS, por exemplo.

Enfim, sem entrar em maiores detalhes, o post que encontrei me sugeriu trocar o pacote phonon-backend-vlc pelo phonon-backend-gstreamer. Pra isso, digite o seguinte no Terminal:

sudo apt-get update
sudo apt-get remove phonon-backend-vlc
sudo apt-get install phonon-backend-gstreamer

Depois é só fechar e abrir o Amarok, que deve funcionar normalmente. Pelo menos funcionou comigo 🙂

Mais informações:


Debug remoto com o NetBeans e Tomcat no Linux

Passei algum tempo pra fazer isso funcionar, mas finalmente consegui. Debugar (depurar) em um servidor remoto é bastante útil e economiza bastante tempo. No meu caso, tenho uma lib (jar) que é importada no projeto, e a única forma de debugar ela com o projeto rodando, foi utilizando o debug remoto (mesmo estando no mesmo servidor).

É bastante interessante utilizar um Tomcat que foi instalado separadamente, e não o que foi instalado com o NetBeans. No meu caso, não instalei do repositório (apt, yum etc.), mas baixei o pacote compactado no site e extraí na pasta /opt/tomcat6.

O procedimento foi testado no Linux Mint Debian Edition (LMDE), mas muito provavelmente funcionará em outras distribuições, especialmente Debian e Ubuntu. A versão do NetBeans é a 7.1.1 e o Tomcat 6.0.35.

Vá no Terminal e digite o seguinte comando

sudo java -jar -Xdebug -Djava.compiler=NONE -Xrunjp:transport=dt_socket,server=y,suspend=n,address=7001 -Duser.dir="/opt/tomcat6" -Djava.endorsed.dirs="/opt/tomcat6/common/endorsed" "/opt/tomcat6/bin/bootstrap.jar" start

Lembre-se de substituir pelos diretórios corretos para o seu caso.

Se a mensagem "INFO: Server startup in X ms" apareceu, quer dizer que até aí deu tudo certo.

Depois é só ir no NetBeans para anexar o depurador. Acesse o menu "Depurar" (em inglês deve ser "Debug") e depois "Anexar Depurador" (em inglês deve estar como "Attach Debugger").

Coloque a porta 7001 e o host deve ser a máquina onde está o tomcat (o IP ou o nome). E pronto. Agora é só abrir sua aplicação e colocar os pontos de interrupção onde você quizer!

Informação adicionada em 26/12/2012:

Graças à colaboração (através dos comentários) de Afonso, vou mostrar uma forma bem mais simples (e que resolverá seu problema caso não esteja conseguindo debugar)

Ao invés de chamar o tomcat através da linha abaixo:

sudo java -jar -Xdebug -Djava.compiler=NONE -Xrunjp:transport=dt_socket,server=y,suspend=n,address=7001 -Duser.dir="/opt/tomcat6" -Djava.endorsed.dirs="/opt/tomcat6/common/endorsed" "/opt/tomcat6/bin/bootstrap.jar" start

Simplesmente adicione ao catalina.sh, logo após os comentários (linhas que começam com #), a linha abaixo:

CATALINA_OPTS=”-Xdebug -Xrunjdwp:transport=dt_socket,address=7001,server=y,suspend=n”

E reinicie seu Tomcat. O resto dos passos você pode fazer da mesma forma, e assim você poderá depurar/debugar suas classes remotamente!

Fonte: http://ahm507.blogspot.com.br/2006/12/netbeans-remote-debugging.html


  • Publicidade

  • Redes Sociais

    Facebook  Twitter
  • Projetos Paralelos

  • Estatísticas

    Page Views (desde março de 2010):

    Estatísticas detalhadas
  • Novidades por e-mail!

    Digite seu e-mail:


    Fique tranquilo. Seu e-mail não será usado para outros fins, e você poderá se descadastrar quando quizer.

    Eu!

    Tiago Passos
    Todo o conteúdo desse site esta licenciado sob a licença Creative Commons 3.0 (CC BY 3.0). Você pode copiar e modificar o conteúdo desde que cite o autor.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress