Servidor dedicado (VM) por US$5 ao mês!
Saiba mais sobre a DigitanOcean: Adeus Amazon (AWS)... Olá DigitalOcean!

Faça uma recarga de celular e ganhe R$10 de volta!

Tag: windows

Resolvendo problema de acentuação no Tomcat 6

Aplicações rodando no Container Tomcat 6 às vezes apresentam problemas de acentuação. Tive esse problema, e para resolver, fui na pasta bin e depois no arquivo catalina.sh (no Linux), e se for no Windows, no catalina.bat, que fica na pasta bin do Tomcat.

Basta acrescentar a seguinte linha logo após os comentários (linhas que começam com #):

JAVA_OPTS="-Dfile.encoding=ISO-8859-1 -Duser.language=pt -Duser.region=BR"

WebIncognita, fork do framework WebIntegrator (WI) é lançado

O WebIntegrator – ou simplesmente WI – é um é um ambiente de alta produtividade para o desenvolvimento de aplicações Web em plataforma Java licenciado como software livre. É brasileiro, foi desenvolvido pela empresa ITX Tecnologia da Informação, e está atualmente com um crescimento bem interessante na sua utilização. Está sendo atualmente utilizado por muitas empresas privadas e públicas, como a Embrapa.

Com o software é possível criar aplicações web com total independência entre as regras de negócio e o layout, de uma forma bastante intuitiva e com muito pouco código. O ambiente  de desenvolvimento também é web, o que quer dizer que você pode desenvolver de qualquer lugar, bastando para isso um navegador.

Um dos principais desenvolvedores – Geraldo Moraes – e sua empresa, a Incognita Inteligência Digital, liberaram ontem (14/02) a versão estável  da WebIncognita, um fork – projeto paralelo – baseado no WebIntegrator (3.3.8), já que a marca pertence à ITX Software. É possível fazer o download gratuitamente na seção de downloads do site da Incognita.

Veja o artigo no Wikipedia sobre o WebIntegrator.


Workrave – um programa que ajuda a impedir a L.E.R. (Lesão por Esforço Repetitivo)

Dores, inflamações e irritações nos braços, pulsos e mãos são os principais sintomas da L.E.R. (Lesão por Esforço Repetitivo) e D.O.R.T (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho). As pessoas que trabalham executando atividades repetitivas são as que correm maiores riscos de adquirir a doença – que não tem cura. Boa parte das vítimas da L.E.R. são pessoas que trabalham em escritórios, bancos e é claro, profissionais de TI. Mas o que podemos fazer para evitar?

Alongamentos no Trabalho
Fazer alongamentos é uma das melhores formas de evitar a L.E.R.

A forma mais eficiente de evitar a L.E.R. é fazer pausas regulares. É interessante dar uma pequena caminhada – ir ao banheiro ou tomar um café – uma vez por hora, além de exercícios e alongamentos específicos, antes, depois e durante a jornada de trabalho. No blog do Dr. Mousinho você pode encontrar alguns exercícios. Você pode usar um cronômetro para te ajudar a controlar o tempo de cada alongamento, mas muita gente tem problemas em se lembrar de fazer os exercícios, e é aí que entra o Workrave.

Trata-se de um programa que, através de alguns cronômetros, te ajuda a lembrar de fazer os alongamentos, as pausas a cada hora (descanço), e introduz um outro conceito: a micropausa. Na micropausa se entende que você não pode passar vários minutos fazendo uma atividade repetitiva intensa, então se você passar esse tempo digitando, por exemplo, ele mostra um aviso para você parar por alguns segundos. Quando chega a hora do “descanço”, ele mostra na tela alguma sugestões de alongamentos, e se você é um workaholic, ele te lembra da hora de ir pra casa. Você pode configurar o tempo de cada intervalo. O programa tem versões para Windows e para Linux. Veja aqui como instalar nos Linux Fedora ou Ubuntu.

Fazer isso reduz bastante a chance de você adquirir essa tão temida doença. Lembre-se: a L.E.R. é crônica, ou seja, não tem cura. A única coisa que você fazer é previnir.


Skype culpa software instável por problema em sua rede

O Skype colocou a culpa dos problemas da semana passada em uma versão instável do seu cliente para Windows. Lars Rabble – do Skype – explicou em seu blog o que causou a queda do serviço na manhã da quarta-feira (22) e manteve muitos clientes offline até o dia seguinte.

No dia 22, alguns servidores que gerenciam as mensagens offline – quando os clientes estão desconectados – ficaram sobrecarregados. Por isso algumas pessoas não conseguiram receber respostas tão rápido quanto de costume. Um bug em uma versão específica do cliente para Windows (5.0.0.152) impediu o processamento dessas respostas atrasadas, causando o travamento do programa.

Já que o Skype é uma rede ponto-a-ponto, ou seja, os computadores se conectam uns aos outros para manter o serviço, qualquer cliente age como um nó para processar o tráfego. Mas os computadores também podem agir comoo supernós, o que ajuda a manter a conexão de vários usuários.

O Skype também pode ser usado em celulares

Até aí nada tão importante para causar a pane geral do sistema. Mas o problema aconteceu porque quase metade dos usuários ao redor do mundo estavam utilizado a versão problemática, o que resultou na queda de 25 a 30% dos supernós, e consequentemente causou sobrecarga nos outros supernós. Apesar das tentativas da equipe do Skype de desativar os servidores sobrecarregados e parar com as requisições dos clientes, a rede completa do Skype caiu e ficou indisponível por cerca de 24 horas.

Agora a empresa está trabalhando em algumas coisas para evitar que isso aconteça novamente. Ela liberou uma atualização para a versão com problemas, mas muitas pessoas não a instalaram. A partir de agora o processo de atualização deverá ser automático, para impedir que isso aconteça. Também serão estudadas maneiras de detectar e resolver os problemas mais rapidamente. Além disso, o sistema utilizado para testes será re-avaliado para a melhor detecção de bugs que possam derrubar o sistema por completo.

Fonte: Skype blames recent outage on buggy software


Definir Windows como padrão no boot do GRUB no Linux Ubuntu e reduzir espera

Vou mostrar como definir o Windows como padrão na inicialização do GRUB e reduzir o tempo de espera.

A minha necessidade em fazer isso foi a seguinte. Uso o Prey como ferramenta para me auxiliar caso meu notebook seja roubado. Para que o programa faça algum efeito, é necessário que a pessoa que o roubou utilize o sistema operacional que já está instalado, para que as fotos possam ser tiradas. O Prey tira fotos de usuário através da webcam e envia para o servidor, tornando mais fácil a recuperação do notebook. Veja como instalar o software aqui.

Caso a pessoa formate o computador, minhas chances de recuperá-lo seriam praticamente nulas. Como a maioria das pessoas usa Windows, deixar o Windows como padrão e sem senha, seria uma forma interessante de mantê-la utilizado o sistema da Microsoft sem formatar o computador por pelo menos alguns dias. Dias bastante valiosos nesses momentos.

Reduzi o tempo de espera do Grub. Dessa forma é possível que a pessoa nem note que existe outro sistema operacional, ou pelo menos não faça questão de removê-lo. Vamos à explicação:

Abra o terminal (Aplicativos/Acessórios/Terminal). Digite:

cat /boot/grub/grub.cfg | grep menuentry | nl -v 0

Sempre que solicitado, digite sua senha.

Esse comando irá retornar quais são os sistemas operacionais configurados no Grub. No meu caso, retornou o seguinte:

0 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-26-generic'...
1 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-26-generic (modo de recuperação)'...
2 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-25-generic'...
3 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-25-generic (modo de recuperação)'...
4 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-24-generic'...
5 menuentry 'Ubuntu, com Linux 2.6.32-24-generic (modo de recuperação)'...
6 menuentry "Memory test (memtest86+)"...
7 menuentry "Memory test (memtest86+, serial console 115200)"...
8 menuentry "Windows 7 (loader) (on /dev/sda2)"...

O Windows está na posição 8, e o Ubuntu na 0.

Agora abra o arquivo /etc/default/grub para editar as configurações do Grub:

sudo gedit /etc/default/grub

Altere o seguinte código:

GRUB_DEFAULT=0

Para o número referente ao Windows. No meu caso, deixei assim:

GRUB_DEFAULT=8

E altere o tempo de espera de:

GRUB_TIMEOUT=10

Para:

GRUB_TIMEOUT=1

Alterei pra 1 segundo, mas você pode colocar o valor que quizer (em segundos).

Agora é só voltar para o Terminal e digitar o seguinte:

sudo update-grub

Esse último comando vai atualizar as informações referentes ao Grub.

Pronto. Agora é só reiniciar!


Instalando e Utilizando o Subversion com VisualSVN Server 2.1.4 e RapidSVN 0.12 no Windows

O Subversion – ou SVN – é um Sistema de Controle de versão. Se você não sabe o que é isso, pode acessar o artigo do Wikipedia sobre o assunto e obter mais detalhes. Nesse artigo vou explicar o passo-a-passo como fazer uma instalação básica do VisualSVN Server, que é o servidor, e o RapidSVN, que é o cliente. Foram utilizadas como base as versões 2.1.4 do VisualSVN Server e 0.12 do RapidSVN. Em versões futuras é possível que hajam algumas diferenças.

O VisualSVN Server nada mais é que uma ferramenta visual para instalação e manutenção simplificada do Subversion para Windows, juntamente com o servidor web Apache, utilizado pelo Subversion, que só possuem uma aplicações de linha de comando (para ser usada pelo DOS). O RapidSVN é o programa utilizado para utilizar o servidor.

O RapidSVN foi o programa escolhido para esse artigo porque tem versões disponíveis para vários sistemas operacionais, incluindo Windows, Linux e Mac OS X.

Se o sistema for utilizado por várias máquinas, é interessante que o VisualSVN esteja em uma máquina separada, e nas outras máquinas será instalado só o RapidSVN. No nosso caso coloquei os dois programas no mesmo computador.

Antes de mais nada, baixe o VisualSVN Server no site aqui. A partir de agora vou mostrar um passo-a-passo de como instalar o VisualSVN Server e o RapidSVN.

Caso você não conheça o Subversion, pode entender um pouco como ele funciona aqui: http://marcelosabadini.com.br/blog/2009/08/05/subversionsvn-introducao-basica/.

Passo 1. Depois de feito o download do VisualSVN Server, vai aparecer essa tela. Clique em Executar.

Passo 2. A instalação do VisualSVN começou. Clique em Next.

Passo 3. Marque a caixinha (de preferência leia o contrato antes) e clique em Next.

Passo 4. A primeira opção pergunta se você quer instalar o servidor e o programa pra gerenciamento. A segunda se quer instalar só o programa de gerenciamento. No nosso marcamos a primeira opção. Clique em Next.

Passo 5. Local é onde o servidor será instalado. Repositories é onde ficarão os arquivos de repositório. Clique em Next.

Passo 6. Depois dessa tela a instalação será feita. Clique em Install

Passo 7. Depois disso o servidor será iniciado. Clique em Finish.

Passo 8. Aqui você criará um novo repositório, que é onde ficarão os arquivos dos documentos ou programas que estiver fazendo controle de versão.

Passo 9. Digite o nome do repositório sem espaços, acentos ou caracteres especiais. Digite a senha, e depois repita ela. Clique em OK.

Passo 10. Agora você vai criar um novo usuário.

Passo 11. Digite o nome do usuário sem espaços, acentos ou caracteres especiais. Clique em OK.

Pronto! Seu servidor foi instalado e foram criados um usuário e um respositório. Agora vamos instalar o cliente (RapidSVN). Passo 12. Entre no site http://rapidsvn.tigris.org/ e baixe a última versão do RapidSVN.

Passo 13. Escolha o arquivo com final exe

Passo 14. Depois de baixar o arquivo, abra ele. Se essa tela aparecer, clique em Executar.

Passo 15. Escolha o idioma.

Passo 16. Clique em Avançar.

Passo 17. Marque a opção "eu aceito os termos do contrato". Clique em Avançar.

Passo 18. Clique em Avançar.

Passo 19. Clique em Avançar.

Passo 20. Clique em Avançar.

Passo 21. Clique em Avançar.

Passo 22. Clique em Avançar.

Passo 23. Clique em Instalar.

Passo 24. Clique em Concluir.

Passo 25. Abra o programa. Essa é a tela do RapidSVN.

Passo 26. Agora vamos adicionar o repositório que foi criado anteriormente. Clique com o botão direito do mouse em Favoritos, depois em Adicionar Repositório Existente.

Passo 27. Digite a url do repositório. Se ele está na mesma máquina, digite https://localhost/svn/nome_do_repositorio. Clique em OK.

Passo 28. Será feita uma pergunta em relação ao certificado SSL, já que o Subversion usa conexão HTTPS (segura). Clique em Permanentemente.

Passo 29. Digite o nome do usuário e a senha que você criou anteriormente. Clique em OK.

Passo 30. Vamos fazer o checkout para depois adicionar os arquivos ao repositório. Clique com o botão direito do mouse em Favoritos, e depois em Checkout de Nova Cópia de Trabalho.

Passo 31. URL é o endereço do repositório. Pasta de destino é o local onde estão os arquivos no seu computador. Digite essas informações. Clique em OK.

Passo 32. Depois de feito o checkout, temos que adicionar os arquivos ao repositório. Selecione todos ele, clique o com o botão direito do mouse, e depois clique em "Adicionar Recursivo".

Passo 33. Agora que os arquivos foram criados no servidor, precisamos enviá-los através de um Commit. Selecione todos ele, clique o com o botão direito do mouse, e depois clique em "Commit"

Passo 34. Quando você dá um commit, é interessante dizer o que foi mudado. Nesse caso você pode colocar "Primeira versão", por exemplo. Depois clique em OK.

Agora sim. Seu servidor e seu cliente SVN estão instalados. É só começar a trabalhar!


Cerca de 90% dos 500 Maiores Supercomputadores Usam Linux

A informação é de Junho, mas acho válido colocar aqui pra que quem ainda não sabe, fique sabendo! 🙂

Em 2010, no ranking dos 500 melhores supercomputadores mostra que o Linux está na frente, como o Sistema Operacional mais utilizado. Segundo o site TOP 500 Supercomputer Sites, cerca de 90% dessas grandes máquinas utilizam Linux. Veja as estatísticas aqui: http://www.top500.org/stats/list/35/os

O gráfico ilustra o uso dos mais importantes sistemas operacionais nos maiores supercomputadores com o passar dos anos

Veja aqui o gráfico original

O ranking foi divulgado nesta segunda-feira, 31/05, durante a International Supercomputing Conference 2010, que acontece em Hamburgo, na Alemanha.

Como o alto índice indica, os computadores com Linux estão nas primeiras posições da lista. A colocação pode ser justificada pelo fato das máquinas com sistema operacional aberto serem mais estáveis, adaptáveis, além de terem licença que permite o uso de alterações sem que para isso seja preciso desembolsar muito dinheiro.

A lista dos 500 supercomputadores é divulgada a cada dois anos. De acordo com informações de gráficos elaborados pela BBC, as melhores máquinas estão localizadas nos Estados Unidos.


Acessar o MySQL pelo Prompt do Windows

Vez ou outra é necessário acessar o MySQL por linha de comando. Se você estiver no Windows, isso também é possível.

Clique no menu Iniciar, depois Todos os Programas (Windows 7). Em seguida clique em Acessórios, e depois em Prompt de Comando.

Se você tiver instalado o MySQL utilizando o Wamp ou XAMPP ele fica em uma pasta diferente de c:\mysql. Acesse – pelo prompt – a pasta onde fica o MySQL.

Se for o XAMPP, por exemplo, o executável fica em c:\xampp\mysql\bin

Depois que abrir a telinha preta, digite:

mysql -u <nome de usuário*> -p

Pronto. Agora é só digitar qualquer comando (SELECT, UPDATE etc.) que ele irá funcionar normalmente.

* o nome de usuário padrão, geralmente é root. Se a instalação é padrão, a senha está em branco, então é só apertar enter.


Instalar Fontes do Windows no Ubuntu 10.04

Por um motivo ou outro você pode precisar usar uma fonte como Times New Roman ou Arial – talvez um trabalho acadêmico – e essas fontes não estão disponíveis originalmente no Ubuntu 10.04. Porém, com apenas um comando é possível instalá-las.

As fontes que vêm no pacote são:

  • Andale Mono
  • Arial Black
  • Arial (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Comic Sans MS (Bold)
  • Courier New (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Georgia (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Impact
  • Times New Roman (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Trebuchet (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Verdana (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Webdings

Para instalar, abra o Terminal (Aplicativos -> Acessórios -> Terminal) e digite o seguinte:

sudo apt-get install msttcorefonts

Digite sua senha de root, e pronto!

PS: Talvez seja necessário deslogar e logar novamente para que as fontes estejam disponíveis para uso.


Acessando máquina rodando Windows com o Linux Ubuntu 9.04

No caso de você precisar copiar arquivos que estão em uma máquina rodando Windows (no caso foi utilizado o Windows 7, mas deve funcionar no XP e no Vista também), através do Ubuntu, os dois computadores devem estar na mesma faixa de IP. Por exemplo: um computador não pode ter IP 10.1.1.1 e outro 192.168.254.1. Mas você pode colocar 192.168.254.1 pra um e 192.168.254.2 pra outro.

Pra garantir que os dois se acessarem, modifique o IP. Se um tiver 192.168.254.1, é interessante que o outro tenha um IP como 192.168.254.2, ou 192.168.254.10 etc.

Se os dois não estiverem na mesma faixa, você pode modificar o IP do computador rodando Ubuntu da seguinte forma:

Abra o Terminal (Aplicativos / Acessórios / Terminal) e digite:

sudo ifconfig

eth0 = Primeira placa de rede
eth1 = Segunda placa de rede
wlan0 = Placa Wireless

Se você quizer modificar a eth0, digite o seguinte:

ifconfig eth0 down

Depois modifique o IP dela da seguinte forma:

ifconfig eth0 192.168.254.100 netmask 255.255.255.0 up

Se você não souber qual o ip da máquina que roda Windows, abra o prompt de comando (cmd) e digite ipcofig.

O endereço é o que está na linha “Endereço IPv4”.

Pra estar se as máquinas estão se enxergando, você pode dar tanto no Terminal do Linux, quanto no Prompt do Windows um ping na outra máquina. Ex.: ping 192.168.254.100

Pronto. Agora você pode acessar a máquina windows pelo ambiente gráfico do Ubuntu. Vá em Locais, Pasta Pessoal. Clique em Rede, Rede Windows, Escolha o grupo, e máquina deverá estar visível. Quando pedir uma senha, digite sua senha de usuário do Windows.


  • Publicidade

  • Redes Sociais

    Facebook  Twitter
  • Estatísticas

    Page Views (desde março de 2010):

    Estatísticas detalhadas
  • Novidades por e-mail!

    Digite seu e-mail:


    Fique tranquilo. Seu e-mail não será usado para outros fins, e você poderá se descadastrar quando quizer.

    Eu!

    Tiago Passos
    Todo o conteúdo desse site esta licenciado sob a licença Creative Commons 3.0 (CC BY 3.0). Você pode copiar e modificar o conteúdo desde que cite o autor.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress