Servidor dedicado (VM) por US$5 ao mês!
Saiba mais sobre a DigitanOcean: Adeus Amazon (AWS)... Olá DigitalOcean!

Faça uma recarga de celular e ganhe R$10 de volta!

Bancos de Dados

Retornando CPF ou CNPJ com pontuação com o PostgreSQL

Os CPFs e CNPJs em seu sistema estão cadastrados todos sem pontos, como é bastante comum. Mas agora você precisa trazê-los do banco já com a pontuação correta. Como fazer isso?

Utilizando a função SUBSTR do PostgreSQL, podemos separar um String (Varchar, por exemplo) em várias partes e depois concatenar com a pontuação desejada. Lembre-se que o campo deve estar como String. Se estiver como inteiro, você vai ter que converter utilizando o CAST. Vamos aos exemplos:

CPF

select substr(cpf, 1, 3) || '.' ||
       substr(cpf, 4, 3) || '.' ||
       substr(cpf, 7, 3) || '-' ||
       substr(cpf, 10) as cpf
       from (select cast('93746041597' as varchar) as cpf)a

CNPJ

select  substr(cnpj, 1, 2) || '.' || SUBSTR(cnpj, 3, 3) || '.' ||
        substr(cnpj, 6, 3) || '/' || SUBSTR(cnpj, 9, 4) || '-' ||
        substr(cnpj, 13) AS cnpj
        from (select cast('99325358000151' as varchar) as cnpj)a


Fonte: http://flaviosilveira.com/2009/tratando-cpf-cnpj-primeiro-nome-e-data-pelo-sql-postgre/


Adicionar zeros à esquerda em um código no PostgreSQL com a função LPAD

Você tem uma tabela nos PostgreSQL quem tem vários códigos, sendo alguns com dois caracteres, outros com três, e por aí vai. Mas como fazer para uniformizar a quantidade de caracteres, ou seja, deixar todos os códigos com a mesma quantidade de números, adicionando zeros à esquerda? Basta utilizar a função LPAD do PostgreSQL. Vamos ao exemplo:

select 
   lpad(cast(cod_curso as varchar),4,'0') as cod_curso 
   from cursos

No exemplo acima, o código do curso que possui 3 caracteres, por exemplo: 125, virou 0125. O código do curso com 2 caracteres, por exemplo: 15, virou 0015. E por aí vai.

Você pode fazer os testes utilizando o banco de testes.

Saiba mais sobre o LPAD aqui e aqui.


Exemplos práticos de conjuntos, utilizando União (UNION), Interseção (INTERSECT) e Diferença (EXCEPT) com o PostgreSQL

Utilizar conjuntos no PostgreSQL, usando recursos como a União, Interseção e Diferença podem ser bastante úteis no dia-a-dia. O mais utilizado é a União, mas a Interseção e Diferença também são necessárias em muitos momentos. Disponibilizei também uma base de testes, que você pode utilizar para testar os exemplos que vou mostrar aqui.

 

Para que funcionem corretamente, é necessário que os selects utilizados tenham o mesmo número de colunas e dados do mesmo tipo.

União (UNION E UNION ALL)
O UNION serve para juntar ou unir dois selects, um abaixo do outro. As linhas repetidas são ignoradas.

Exemplo 1.

SELECT nom_prof AS nome FROM professores
UNION
SELECT nom_alu AS nome FROM alunos

No exemplo 1, o primeiro select retorna os nomes de todos os professores, e o segundo retorna o nome de todos os alunos. O UNION junta todos os nomes em uma única lista.

O UNION ALL é bastante semelhante ao UNION. A única diferença é que as linhas repetidas são exibidas.

Exemplo 2:

SELECT nom_prof AS nome FROM professores
UNION ALL
SELECT nom_alu AS nome FROM alunos

O exemplo 2 faz a mesma coisa do exemplo 1, com a diferença que as linhas repetidas são exibidas no exemplo 2.

Interseção (INTERSECT)
Exibe apenas os registros que estão nos dois selects.

Exemplo 3:

SELECT nom_prof AS nome FROM professores
INTERSECT
SELECT nom_alu AS nome FROM alunos

Diferença (EXCEPT)
São exibidas as linhas que estão no primeiro select, mas não estão no segundo select.

Exemplo 4:

SELECT nom_prof AS nome FROM professores
EXCEPT
SELECT nom_alu AS nome FROM alunos

Exemplos práticos de SELECTs simples com o PostgreSQL

O SQL é uma linguagem padrão para os bancos de dados relacionais, como o MySQL e SQL Server, mas como a sintaxe pode mudar um pouco de um SGBD para outro, resolvi fazer esse pequeno artigo com alguns exemplos práticos de alguns selects simples com o PostgreSQL. Disponibilizei também uma base de testes, que você pode utilizar para testar os exemplos que vou mostrar aqui.

Exemplo 1:

SELECT mat_alu AS matricula, nom_alu AS nome
FROM alunos

No exemplo acima estou trazendo a matrícula e o nome dos alunos que constam na tabela alunos.

Exemplo 2:

SELECT mat_alu AS matricula, nom_alu AS nome
FROM alunos
WHERE cod_curso = 10

No exemplo 2, utilizei a clausula WHERE para trazer apenas os alunos do curso com código 10.

Exemplo 3:

SELECT mat_alu AS matricula, nom_alu AS nome
FROM alunos
WHERE cod_curso = 10 or cod_curso = 8

No exemplo 3, trago apenas os alunos de cursos dos cursos de código 8 ou 10

Exemplo 4:

SELECT mat_alu AS matricula, nom_alu AS nome
FROM alunos
WHERE nom_alu like 'A%'

No exemplo 4, trago todos os alunos que tem o nome começado pela letra 'A'


Controle Acadêmico: Banco de Dados PostgreSQL para Estudo/Treinamento com Estrutura em Português

Algum tempo atrás postei um artigo com um banco de dados de exemplo para MySQL. Agora resolvi postar um para PostgreSQL. Tem uma estrutura bem diferente: é um controle acadêmico (simplificado, é claro). É bastante útil se você estiver estudando o PostgreSQL ou ministrando um treinamento básico.

Para fazer o download da base de dados, clique aqui.

Caso você precise da base de dados para algum trabalho acadêmico ou qualquer outro uso, fique à vontade para usar!


Perdi a senha do PostgreSQL no Ubuntu! E agora!?

Há alguns meses atrás fiz um artigo explicando como recuperar a senha do MySQL no Ubuntu. Dessa vez vou fazer o mesmo no PostgreSQL. É tão simples quanto.

Abra o Terminal (Menu Principal / Acessórios / Terminal) e digite:

sudo -u postgres psql template1
alter user postgres with password 'NOVA_SENHA'
\q (para sair)

O procedimento foi testado no Ubuntu 10.04 LTS.

Fonte: http://forum.wmonline.com.br/topic/201179-instalei-postgre-no-ubuntu-mas-ele-nao-me-deu-a-senha/


Sakila: Banco de Dados MySQL para Estudo/Treinamento com Estrutura em Português

Algumas semanas atrás estava ministrando um treinamento de SQL Básico para os novos estagiários na empresa em que trabalho, e o conteúdo era formado basicamente por: SELECTs, INSERTs, UPDATEs e DELETEs. A criação de tabelas e bancos não fazia parte da ementa. Com isso me veio a seguinte dúvida:

Será que não existe nenhuma base de dados que possa ser usado como exemplo num caso como esses? Uma base que já venha preenchida – com dados fictícios – para que seja melhor compreendido o uso de SELECTs utilizando JOINS, por exemplo?

Foi aí que encontrei um projeto chamado Sakila, desenvolvido para o MySQL, que é exatamente o que eu estava procurando. Trata-se de uma base de dados de uma locadora fictícia, e contém filmes, atores, clientes, locações, funcionários e tudo mais que uma sistema de locadora teria direito. Bastante útil para o que eu precisava. Você pode baixar o Sakila original em inglês aqui e outras bases de exemplo aqui.

O único "problema" é que a estrutura do Sakila é toda em inglês. Na verdade, não é exatamente um problema, mas isso pode dificultar um pouco a compreensão de quem não é muito bom em inglês.

Para resolver isso, eu traduzi a estrutura da base, ou seja, nomes de tabelas, colunas e chaves. O projeto original também possui outros recursos, como triggers, views e procedures, mas como não era do meu interesse no momento, eu removi esses recursos da base.

Para fazer o download do Sakila com estrutura em português, clique aqui.

Futuramente pretendo criar versões do Sakila para outros SGBD's, como o PostgreSQL e SQL Server, mas por causa do meu pouco tempo, não posso precisar uma data. Se você tiver interesse de colaborar com outros usuários do blog e fazer uma versão diferente, terei prazer em colocar o link aqui. 🙂

Caso você precise da base de dados para algum trabalho acadêmico ou qualquer outro uso, fique à vontade para usar!


Exemplo prático de como criar tabela com chaves estrangeiras no PostgreSQL

O PostgreSQL, assim como cada banco, tem suas particularidades. O conceito de criação de tabelas é basicamente o mesmo de banco pra banco, mas às vezes a sintaxe muda. Nesse artigo vou mostrar um pequeno exemplo prático de como criar duas tabelas, onde uma referencia a outra por meio de uma chave estrangeira (foreign key). Se você está procurando uma documentação mais completa, pode encontrar aqui e aqui. E vamos ao exemplo:

A primeira tabela a ser criada é uma tabela de estados. Ela possui uma chave primária (ds_sigla_estado):

CREATE TABLE tb_estado (
 ds_sigla_estado char(2) NOT NULL,
 ds_nome_estado character varying(100) NOT NULL,
 CONSTRAINT tb_estado_pkey PRIMARY KEY (ds_sigla_estado)
)

A segunda tabela é tb_município, que possui uma chave primária (id_municipio) e faz referência (chave estrangeira) ao campo ds_sigla_estado em tb_estado.

CREATE TABLE tb_municipio (
 id_municipio serial NOT NULL,
 ds_municipio character varying(100) NOT NULL,
 ds_sigla_estado char(2) NOT NULL references tb_estado(ds_sigla_estado),
 CONSTRAINT tb_municipio_pkey PRIMARY KEY (id_municipio)
)

Entendeu? Se não, utilize os comentários e tire suas dúvidas ou então leia mais sobre o assunto aqui e aqui.


Banco de Dados com tabela das cidades do Brasil para os SGBD MySQL e SQL Server

Hoje estava fazendo um trabalho utilizando o SQL Server 2005, e precisei de uma tabela com as cidades do Brasil. Consegui uma com as cidades, siglas dos estados e os códigos dos municípios fornecidos pelo IBGE. Aproveitei e converti a tabela para o MySQL. Disponibilizo aqui os dois arquivos, para quem se interessar:

Cidades do Brasil – SQL Server

Cidades do Brasil – MySQL

Atenção: O arquivo referente ao SQL Server é um arquivo .bak, ou seja, é um backup da base completa. O arquivo referente ao MySQL contém apenas a tabela das cidades, ou seja, a base já deverá estar criada antes da importação.

 


Problemas ao exportar ou importar dados com o phpMyAdmin e o banco de dados MySQL

Se você está tentando exportar ou importar um arquivo grande, utilizando o phpMyAdmin e o banco de dados MySQL, e não está conseguindo, eu posso ter a solução.

Algumas vezes provedores bloqueam a exportação e importação de arquivos grandes com o phpMyAdmin e o MySQL. Muitas vezes nem precisa ser tão grande assim… Basta alguns megabytes e você já começa a ter problemas. Você simplesmente não consegue exportar ou importar dados.

Para resolver isso, uma solução é acessar diretamente a linha de comando e fazer o procedimento por lá. Uma tarefa que estava levando vários minutos para ser concluída, pode ser rapidamente executada em poucos segundos. Se você não tem acesso físico ao servidor, terá que verificar com seu provedor se é o SSH é liberado pra você, e só assim será possível fazer esse procedimento.

O procedimento foi testado no Ubuntu 10.04 LTS, mas deverá funcionar em qualquer distribuição Linux (e talvez até no Windows). Acesse o terminal (No Ubuntu, clique em Aplicativos / Acessórios / Terminal) e digite o seguinte:

Para importar dados

mysql -u usuario -p banco_de_dados < arquivo.sql

Substitua o que está em vermelho pelas informações corretas, correspondentes ao seu sistema. Será solicitada a senha em seguida. Se você está usando em sua máquina, onde você instalou o MySQL, possivelmente o usuário é root e a senha em branco.

Para exportar dados

mysqldump -u usuario -p banco_de_dados > arquivo.sql

Substitua o que está em vermelho pelas informações corretas, correspondentes ao seu sistema. Será solicitada a senha em seguida.

É isso! Espero que tenha ajudado.


  • Publicidade

  • Redes Sociais

    Facebook  Twitter
  • Estatísticas

    Page Views (desde março de 2010):

    Estatísticas detalhadas
  • Novidades por e-mail!

    Digite seu e-mail:


    Fique tranquilo. Seu e-mail não será usado para outros fins, e você poderá se descadastrar quando quizer.

    Eu!

    Tiago Passos
    Todo o conteúdo desse site esta licenciado sob a licença Creative Commons 3.0 (CC BY 3.0). Você pode copiar e modificar o conteúdo desde que cite o autor.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress