Ganhe R$20 de desconto na primeira corrida com a 99Taxi!

Archive for janeiro, 2011

Linux de 32 ou 64 bits?

Vez ou outra vejo essa questão pelos fóruns e listas e discussões de informática. Muita gente tem uma dúvida muito grande se deve instalar uma distribuição Linux, seja ela Fedora, Ubuntu, OpenSUSE ou qualquer outra, mas a resposta não é complicada.

Basicamente os processadores para notebooks e desktops (computadores comuns, de mesa) são de 32 ou 64 bits. Se você tem um processador de 32 bits, instala a de 32 bits, se tem um de 64 bits, instala a versão de 64 bits. Simples assim. Mas então porque tanta polêmica?

A polêmica maior se dá por dois motivos:

  1. Se você não sabe qual o seu processador (ou se é de 32 ou 64 bits) e instalar o sistema operacional de 64 bits em um computador com 32 bits, ele não vai funcionar. Mas o contrário funciona.
  2. Até algum tempo atrás, as distribuições de 64 bits eram pouco estáveis, então muitos usuários tinham alguns problemas. Mas hoje em dia isso não vem ao caso.

A grande vantagem de instalar um sistema operacional de 64 bits é, além de ter velocidade maior, reconhecer mais de 3,2GB de memória RAM. Se você tem um computador com 4GB de RAM ou mais, ele com certeza não é de 32 bits, então você pode instalar a de 64 bits sem medo.

Se você ainda tá na dúvida, e não tem como obter as informações sobre o seu processador, não esquente. Na maioria das aplicações o acréscimo de desempenho não vai fazer tanta diferença. Se você só usa o PC pra acessar a web, Office (ou BrOffice), MSN/Skype/Gtalk, e coisas do gênero, e não tá muito preocupado em ter um ligeiro acréscimo de desempenho, a de 32 bits vai resolver seu problema.


Aprenda inglês com a BBC sem gastar um centavo

Você finalmente conseguiu marcar uma entrevista de emprego na empresa que sempre teve vontade de trabalhar. Totalmente preparado e com as respostas na ponta da língua, você tem uma surpresa: a entrevista é em inglês. Você tinha colocado no seu currículo que sabia inglês fluente, mas na verdade nem é tão fluente assim. E agora? Agora já era. Você devia ter se preparado antes…

Inglês é extremamente importante para a maioria dos profissionais, mas pra quem trabalha com Tecnologia da Informação, talvez a necessidade seja ainda maior. O tempo inteiro estamos aprendendo novas tecnologias e ferramentes que, quando não são totalmente inglês, a maior parte do material disponível (e de qualidade) para estudo, é em inglês. Por isso não adianta. Não dá pra se acomodar.

Você não tem dinheiro para pagar um curso de inglês? Não se desespere. Na site da BBC Brasil existe uma seção que se encaixa na sua necessidade. Você pode aprender inglês lendo notícias e ouvindo seu áudio, além de dicas de pronúncia, vocabulário, etc. Visite: http://www.bbc.co.uk/portuguese/aprenda_ingles/

Se você já sabe inglês e gostaria de estudar outras línguas, tenho mais duas dicas:

Estude e quem sabe você não perde uma boa oportunidade por causa do idioma. 🙂


Organize sua vida com os templates do Google Docs

Se você costuma trabalhar com Microsoft Excel, BrOffice Calc ou similares deve saber que dá pra fazer cálculos relativamente complexos e várias outras coisas usando fórmulas. Dá pra criar desde um bolão da copa do mundo até um controle de estoque de uma pequena loja. Mas e no Google Docs?

Eu comecei a usar de verdade o Google Docs há pouco tempo. Se você ainda não conhece, vale a pena dar uma olhada. Existem aplicativos similares ao Microsoft Word e BrOffice Writer, Microsoft Excel e BrOffice Calc etc. Além disso, tem um recurso que não existe em nenhum dos dois: o Form.

Com o Form é possível criar um formulário de pesquisa, uma enquete simples, ou o que mais sua criatividade e necessidade mandar. Mas além disso tudo, tem uma coisa que me chamou bastante atenção: os templates.

Templates são modelos prontos das mais diversas aplicações. No caso do Google Docs, você encontra agenda telefônica, calendário, bloco de anotações e várias outras coisas. São milhares de templates grátis à sua disposição. Alguns me chamaram mais a atenção. Pode ser que sejam úteis pra você:

Para usar qualquer um desses templates, é necessário ter uma conta do Google. Abra o link do template e clique no botão “Use this template”. Se você ainda não estiver logado, será pedida a sua senha do Google, e se não tiver, poderá se cadastrar gratuitamente. Depois disso o arquivo já é jogado automaticamente na raiz do seu Google Docs. Para ver outros templates, basta clicar aqui.

Experimente. Se gostar, recomende para os seus amigos!


Você conhece o Symfony (PHP) Framework?

O Symfony é uma framework PHP que tem como foco a aceleração do desenvolvimento e manutenção de aplicações web, e a substituição de códigos corriqueiros. São poucos os pre-requisitos para sua instalação: Linux, FreeBSD, MacOS ou Windows e um servidor PHP 5. A versão atual (1.4) só suporta PHP 5.2.4 ou superior, mas versões anteriores podem rodar em servidores PHP 5.0 e 5.1. Infelizmente, como várias outras frameworks modernas, o Symfony não dá mais suporte ao PHP4, mas por outro lado, é compatível com quase todos os bancos de dados relacionais, como o MySQL, Postgresql etc.


A idéia por trás dele é bem parecida com a do Ruby on Rails: facilidade de uso, design simples e código legível. Com ela é possível desenvolver uma aplicação completa com bastante facilidade. O desenvolvedor pode se focar na lógica da aplicação sem ter que perder tempo editando arquivos XML “infinitos”. Podem ser desenvolvidas aplicação porte pequeno a “enterprise”, dando ao desenvolvedor total controle sobre configuração e customização. O Symfony usa arquitetura MVC (Model-View-Controller). Como se não bastasse, existe uma comunidade bastante ativa por trás disso tudo.

Entre os recursos oferecidos pela framework, estão:

  • Internacionalização
  • Desenvolvimento de templates por designers sem conhecimento do framework
  • Formulários gerados com validações automáticas
  • URL’s amigáveis
  • Facilidade para implemtentar Ajax
  • Ferramentas para geração de código
  • Framework para teste automatizado embutido
  • Ferramentas para log, dando aos administradores informações completas sobre as atividades da aplicação

O Symfony tem uma curva de aprendizagem um pouco maior que outras frameworks, e o tutorial “Getting Started” é uma boa forma de começar. Também é disponibilizada uma aplicação de exemplo chamada “Symfony sandbox“, que te dá uma idéia prática de como funciona. Basta baixar, descompactar, colocar no seu servidor e pronto. A aplicação vem configurada para utilizar o banco de dados SQLite, mas é bastante simples configurar para outro SGBD.


O Buraco no Muro

Reportagem que mostra como uma idéia inovadora e um pouco de ação pode trazer conhecimento para comunidades carentes. No vídeo, um empresário teve uma idéia bem simples para prover acesso à internet em comunidades carentes na Índia. A experiência foi um sucesso tão grande que ele resolveu expandir para outros pontos no país. Veja a reportagem:


Um processo seletivo – no mínimo – interessante

A empresa de desenvolvimento Devel-IT, da cidade de Ourinhos – interior de São Paulo – colocou no ar um processo seletivo – no mínimo – interessante. Para que o candidato consiga enviar seu currículo para a empresa, é necessário que resolva um problema na linguagem Python, ou seja, automaticamente comprova um conhecimento básico na linguagem.

Outra coisa interessante que achei na chamada para o processo seletivo é ter usado argumentos como:

Se você reside próximo à nossa região ou deseja trocar a loucura das grandes cidades por uma vida mais sussegada, sem trânsito, sem enchentes, sem alagamentos, com baixa taxa de criminalidade (ou seja, viver mais e melhor) e ainda assim trabalhar com tecnologias inovadoras, participe do nosso desafio.

Veja o texto completo:

Caros Srs.

A Devel-IT está em busca de profissionais experientes que atuam na área de desenvolvimento Web para trabalhar no interior de São Paulo (Ourinhos).

Se você reside próximo à nossa região ou deseja trocar a loucura das grandes cidades por uma vida mais sussegada, sem trânsito, sem enchentes, sem alagamentos, com baixa taxa de criminalidade (ou seja, viver mais e melhor) e ainda assim trabalhar com tecnologias inovadoras, participe do nosso desafio.

Desafio? Isso mesmo, para participar do nosso processo seletivo você precisa completar um desafio para comprovar que você realmente manja do assunto, ou não!

Quer participar? Acesse http://desafio.devel-it.com.br e mande ver!

Quem somos? Empresa líder no segmento de desenvolvimento e suporte de soluções VoIP/SIP. Mais em http://www.devel-it.com.br/


Os cinco melhores emuladores para Linux

Em computação, emulação é a capacidade de um software ou hardware de replicar as funções de outro hardware ou software. É bastante comum a emulação de video games, como o Nintendo Entertainment System (NES), Super Nintendo Entertainment System (SNES), Game Boy (GB), Sega Dreamcast e o Sony PlayStation. Aqui vou mostrar alguns dos principais emuladores para Linux.

PCSX2
O PCSX2 é um emulador de PlayStation 2 (PS2), que é baseado numa arquitetura de plugins. Combinações de plugins podem produzir diferentes resultados em capacidade e compatibilidade. É altamente recomendada a utilização de processadores como o Core 2 Duo e Core-i na emulação do PS2 com o PCSX2. Atualmente vários plugins estão sendo desenvolvidos para melhorar a compatibilidade e performance.

PCSX2, emulador de PlayStation 2 (PS2)

ZSNES
O ZSNES é um emulador bastante popular para o Super Nintendo Entertainment System (SNES), tendo a maior parte do seu código escrito em Assembly x86. Ele é bem conhecido por ter sido um dos primeiros a emular a maioria dos chips de aprimoramento do SNES em algum nível, e o primeiro a implementar o algoritmo de interpolação HQ2X. O ZSNES é capaz de rodar jogos de Super Nintendo com velocidade total, som e efeitos gráficos especiais. Ele também permite salvar o jogo em qualquer ponto (savestate). O ZSNES também da suporte a recursos adicionais, que não existem no console, como a possibilidade de gravar vídeos dos seus jogos, além de jogar via rede TCP/IP.

ZSNES, emulador para Super Nintendo (SNES)

GENS
Para o Mega Drive, o Gens é uma ótima opção. Ele roda no Linux usando Simple DirectMedia Layer (SDL). Ele emula 90% de todos os jogos para Mega Drive, tornando o Gens o emulador mais compativel para o console atualmente. Alguns dos recursos mais interessantes do Gens são: suporte a cheats, savestates, tirar print screen da tela, suporte a OpenGL etc.

Gens, emulador para Mega Drive

MAME
Um software projetado para a emulação de hardware dos jogos de arcade (muitas vezes conhecidos como “fliperamas”) para PCs e outras plataformas, o MAME (Multiple Arcade Machine Emulator) tem como principal objetivo a preservação da história dos jogos clássicos e evitar que sejam perdidos. Ele pode emular vários processadores, chips de audio e vídeo, circuitos integrados, memória ram, armazenamento etc. A primeira versão do MAME foi lançada em 1997. Sua última versão suporta mais de 4500 jogos, dando suporte a um total de 9100 jogos. Cerca de 1400 jogos não funcionam no MAME.

MAME, emulador de arcades ("fliperama")

ePSXe
Considerado o melhor emulador de PlayStation atualmente, o ePSXe (enhanced PSX emulator), assim como o PCSX2, utiliza um sistema de plugins para emular os gráficos, sons e drive de CD. O jogos podem ser executados do drive de CD/DVD do computador ou a partir de imagens de CD salvos no HD. Apesar de possuir código fechado (proprietário), sua API (application-programming interface) para a maioria dos plugins é livre. A última versão do software pode rodar a maioria dos jogos sem travamentos/congelamentos. Sua interface de usuário também é bastante fácil de usar.

ePSXe, emulador para PlayStation (PS)

Fonte: TechSource


Governo da Letônia passará a utilizar o Open Document Format (ODF) em seus órgãos

Quarta-feira passada Simon Phipps, antigo responsável pelo programa open-source da Sun, escreveu em seu blog sobre a apresentação numa conferência na Letônia sobre o Open Document Format (ODF). O ODF é formato de livre de texto (equivalente ao DOC, da Microsoft), planilha (equivalente ao XLS) e vários outros. O padrão é utilizado no BrOffice, OpenOffice, LibreOffice etc. Ele conta que o governo da Letônia fez um anúncio oficial de que, de agora em diante, todos os departamentos do Governo da Letônia irão aceitar documentos no formato ODF.

Apesar de ser um país bastante pequeno e não tão influente na economia internacional, essa tendência deve alcançar vários outros países europeus nos próximos anos. O problema de se usar formatos proprietários (como o DOC) para armazenar os documentos oficiais ou de valor histórico é que somente a empresa detentora do formato (no caso, a Microsoft) conhece o processo de armazenamento da informação. Isso quer dizer que, se em 10, 20 ou 50 anos o formato for extinto, por exemplo, toda a informação corre risco de se perder.

Apesar de ser possível – com o BrOffice, OpenOffice e o LibreOffice – abrir arquivos no formato DOC, não existem garantias de que toda a integridade da informação e formatação do documento foi preservada quando o arquivo é aberto por um desses programas. Além disso, traz outro problema: os governos se tornam dependentes de uma tecnologia proprietária quando existe uma tecnologia livre e gratuita equivalente. Muito dinheiro é gasto em licenças desnecessárias.

O formato ODF também pode ser aberto pelos produtos da Microsoft, então uma pessoa que já tenha o Office em seu computador não precisa instalar outro programa, apesar de esses softwares serem gratuitos.

Fonte: The H Open Source


EnterpriseDB lança versão comercial e ferramentas de segurança para o PostgreSQL 9

Essa semana a EnterpriseDB, a maior empresa prestadora de suporte comercial ao banco de dados PostgreSQL – o mais importante banco de dados livre atualmente – lançou o Postgres Plus Standard Server 9, que é uma versão comercial do PostgreSQL 9 lançado pela comunidade em setembro de 2010. A empresa também lançou ferramentas desenvolvidas para auxiliar os usuários do banco a ter mais segurança em suas bases e seus códigos.

“O Postgres Plus Standard Server 9 inclui todas as atualizações liberadas desde setembro”, informa Robin Schumacher, diretor de estratégia de produto na EnterpriseDB para a InternetNews.com.

Foram lançada três ferramentas. São elas:

Fonte: http://itmanagement.earthweb.com/secu/article.php/3921476/EnterpriseDB-Releases-New-Postgres-Plus-Security-Tools.htm


Opinião sobre o celular Nokia 2690

Há cerca de um mês comprei o celular Nokia 2690. Gostaria de fazer um breve relato sobre minha experiência com o aparelho. Isso pode te ajudar a decidir se quer comprá-lo ou não. Comprei por R$200, pela internet (Americanas.com) e creio que esse seja um preço razoável a se pagar por ele. Talvez você consiga achar ele um pouco mais barato, mas não muito. Comprei a versão desbloqueada e quadriband.

O aparelho pode ser considerado extremamente simples para os padrões atuais, especialmente com esse boom de smartphones (xing lings ou não) rodando Android, Symbian, além do iPhone, é claro.

Prós:

  • Suporta fone comum (P2). Isso quer dizer que você não tem que pagar R$40 num fone específico, e as vezes com qualidade ruim, para o seu celular. Qualquer fone comum (como os de mp3 players) funciona nele. Mas se você utilizar o fone comum, perderá a função de microfone, e não poderá falar no telefone usando o fone, basicamente. O fone tem uma qualidade razoável pra música, mas eu coloquei um fone Phillips nele e ficou bem melhor.
  • Suporta cartões MicroSD de até 8GB. É um espaço razoável para Mp3.
  • É desbloqueado e quadriband. Você pode usar em qualquer operadora do Brasil sem problemas.
  • Possui suporte a Bluetooth para transmissão de dados sem fio.
  • O alto-falante possui um volume bom. O som do fone também (não é extremamente alto).

Contras:

  • Teclado muito duro. Mas isso pode ajudar a manter a integridade dele com o passar dos anos.
  • A bateria descarrega muito rápido quando quando a função de Mp3 Player é utilizada. Usando 2 horas por dia de mp3, a bateria tem durado 2 dias. Como o telefone é bastante simples, acho que deveria durar um pouco mais.
  • Câmera muito ruim, VGA (640×480) e sem flash.
  • Não vem com cabo de dados. Apesar de ter Bluetooth, considero importante, pois a transmissão por Bluetooth é muito lenta, ainda mais se você pretender transmitir os 8GB que o aparelho suporta.

Minha avaliação sobre o aparelho é positiva, apesar de algumas deficiências, vale o preço cobrado.

Você comprou ou pretende comprar esse aparelho? Comente suas impressões sobre ele!


  • Publicidade

  • Redes Sociais

    Facebook  Twitter
  • Projetos Paralelos

  • Estatísticas

    Page Views (desde março de 2010):

    Estatísticas detalhadas
  • Novidades por e-mail!

    Digite seu e-mail:


    Fique tranquilo. Seu e-mail não será usado para outros fins, e você poderá se descadastrar quando quizer.

    Eu!

    Tiago Passos
    Todo o conteúdo desse site esta licenciado sob a licença Creative Commons 3.0 (CC BY 3.0). Você pode copiar e modificar o conteúdo desde que cite o autor.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress