Ganhe R$20 de desconto na primeira corrida com a 99Taxi!

Tag: oracle

Instalando o Tomcat 7 com OpenJDK (Java) 7 no Centos Linux 6

O Tomcat 7 utiliza precisa do Java (JDK) para funcionar. Você pode utilizar o Java da Oracle, o OpenJDK ou outro.

A vantagem de utilizar o OpenJDK é que, além de poder ser instalado pelo repositório, e assim você poder atualizar junto com o sistema (yum update), ele é completamente livre, diferente do Java da Oracle.

No nosso teste abaixo, utilizei o Centos 6.3 Minimal, que pode ser obtido clicando aqui.

Assuma o poder de root através do comando su ou sudo su e depois siga o passo-a-passo abaixo.

Atualize o sistema:

yum -y update

Instale o OpenJDK 7:

yum install -y java-1.7.0-openjdk

Baixe o Tomcat 7. Caso o link abaixo não funcione, baixe a versão mais recente em: tomcat.apache.org

wget http://apache.tradebit.com/pub/tomcat/tomcat-7/v7.0.35/bin/apache-tomcat-7.0.35.tar.gz

Descompacte o Tomcat 7

tar -zxvf apache-tomcat-7.0.35.tar.gz

Mova para o local correto (escolher o diretório /var, mas pode ser outro)

mv apache-tomcat-7.0.35 /var/tomcat7

Libere a porta 8080 no Iptables

/sbin/iptables -I INPUT -p tcp --dport 8080 -j ACCEPT
/etc/init.d/iptables save
service iptables restart

Para editar arquivos de texto, você pode utilizar o vi, vim ou outro editor de sua preferência. Os comandos básicos do vi e vim são os mesmos.

Crie o arquivo tomcat7 dentro do diretório /etc/init.d/ com o conteúdo abaixo:

#!/bin/bash 
# description: Tomcat Start Stop Restart 
# processname: tomcat6
# chkconfig: 234 20 80 
 
case $1 in
   start)
    /var/tomcat7/bin/startup.sh;;
   stop)
    /var/tomcat7/bin/shutdown.sh;;
   esac
   exit 0

Depois dê permissão de execução ao arquivo:

chmod +x /etc/init.d/tomcat7

Agora você pode iniciar o Tomcat 7 como serviço:

service tomcat7 start

Se quizer parar:

service tomcat7 stop

Para que o Tomcat 7 inicie automaticamente quando ligar o computador:

chkconfig tomcat7 on

Pronto! Agora é só colocar suas aplicações web java na pasta /var/tomcat7/webapps


Liberation Fonts: Uma alternativa livre às fontes proprietárias do Windows

O Linux, principalmente o Ubuntu, tem se tornado cada vez mais popular. Apesar de não ter os mesmo programas – e isso nunca foi objetivo da comunidade Linux – existem alternativas para a maioria dos softwares utilizados no Windows.

Um problema que muitos têm quando se deparam com o LibreOffice / OpenOffice / BrOffice no Linux está relacionado às fontes. Arial, Times New Roman e cia. não estão disponíveis, porque são proprietárias da Microsoft, ou seja, ela possui todos os direitos sobre essas fontes. Existem textos que só podem ser redigidos em uma fonte específica, como por exemplo trabalhos acadêmicos, monografias, dissertações e teses de doutorado, que seguem as regras da ABNT, que por sua vez exige Arial ou Times New Roman.

Então o que fazer? Voltar para o Windows? A resposta é não! Existem duas coisas que você pode fazer:

1. Você pode baixar essas fontes e instalar no Windows. Isso mesmo! Simples assim. Veja como fazer isso no Ubuntu aqui.

2. O caminho mais sensato – na minha opinião: utilizar as fontes livres que já vem no sistema, e são praticamente idênticas às da Microsoft. As maioria das fontes foram criadas por Steve Matteson, da Ascender Corp e licenciadas como GPL v2 (com algumas exceções) pela Red Hat em 2008, e obteve contribuição da Oracle em 2010.

As fontes disponíveis no pacote Liberation Fontes são: Liberation Sans, Liberation Serif, Liberation Mono e Liberation Sans Narrow. Elas possuem mesmo espaçamento horizontal e vertical que as da Microsoft – sem deixar de ter sua própria identidade – o que quer dizer que a quantidade de linhas e páginas não é alterada. Quer saber qual fonte equivale a qual? Veja nas imagens abaixo:

Liberation Serif é equivalente à Times New Roman

Liberation Serif é equivalente à Times New Roman

Liberation Sans é equivalente à Arial

Liberation Sans é equivalente à Arial

Liberation Mono é equivalente à Courier New

Liberation Mono é equivalente à Courier New

A última fonte adicionada ao pacote foi a Liberation Sans Narrow, que foi colaboração da Oracle em 2010 e é equivalente à Arial Narrow.

Agora você não pode mais usar  a desculpa de voltar para o Windows por causa do Office! 🙂


MySQL ou PostgreSQL? Eis a questão!

Essa pergunta é feita por muita gente que trabalha com desenvolvimento e conhece alguma coisa de algum dos dois. No senso comum, se ouve muito o seguinte: “MySQL é pra coisas menores, mais simples. PostgreSQL é pra projetos de grande porte”. Mas será que isso é verdade? E porque escolher um ou outro?

O que eles têm em comum

  • São Software Livre;
  • São gratuitos (nem todo Software Livre é gratuito);
  • São encontrados facilmente em vários provedores por aí;
  • Possuem também suporte pago (do MySQL é oferecido pela Oracle. O do PostgreSQL é oferecido por empresas como EnterpriseDB);
  • São bem populares, e por isso se encontra bastante documentação (mas se encontra mais material do MySQL).

O lado político da coisa

Do ponto de vista “político”, tem uma diferença importante entre eles: o MySQL é da Oracle, uma grande empresa multinacional. O PostgreSQL não. Ele é mantido diretamente pela comunidade.

Isso quer dizer que a Oracle é “dona” do MySQL e pode fechar o código a qualquer momento? Não, não é bem assim. Ela é dona da marca MySQL, e pode descontinuar o produto a seu bel prazer ou deixar de liberar a versão grátis. Mas todo o código já produzido é livre, e se alguém ou alguma empresa quizer dar continuidade ao projeto com outro nome (fazer um fork), pode fazer. Inclusive isso já aconteceu: foi lançado o MariaDB.

O MariaDB é baseado no MySQL e foca na compatibilidade com ele, então a ideia é que ele não vá se tornando cada vez mais incompatível conforme as versões vão sendo lançadas, e sim que ele permaneça lado a lado com o MySQL, mas sem ser da Oracle. O criador do MariaDB é um dos criadores do MySQL: o finlandês Michael “Monty” Widenius.

O problema é que a instabilidade das decisões de uma empresa como a Oracle pode afetar a confiança no produto. Foi o que aconteceu com o OpenOffice (também da Oracle). A comunidade estava instisfeita com o rumo que o projeto vinha tomando, e decidiu fundar o LibreOffice. O próprio BrOffice agora é LibreOffice. Isso – ao meu ver – é uma coisa boa, pois agora o poder não está mais nas mãos da Oracle, e sim da comunidade.

O lado técnico

Muito do que se ouve falar sobre ambos é antigo, e vem de estereótipos antigas, do MySQL 4.1 (a atual é 5.5) e do PostgreSQL 7.4 (a atual é 9.0). O MySQL possui agora vários recursos que antes não tinha, e o PostgreSQL está muito mais rápido. É comparado por muitos com o Oracle.

Mais de 75 recursos foram adicionados ao PostgreSQL de lá pra cá, resultado de um trabalho de vários anos para remover pontos chave que causavam problemas de escalabilidade. É possível também compactar e descompactar dados “on-the-fly”. A vantagem disso é que reduz a necessidade de acesso a disco, aumentando a performance.

O PostgreSQL possui apenas um sistema de armazenamento, e o MySQL possui vários. Você pode escolher de acordo com o tipo do projeto. Os mais utilizados no MySQL são InnoDB e MyISAM. O MyISAM é mais rápido que o sistema do PostgreSQL, mas tem um custo. Alguns recursos, como chaves estrangeiras e transações não estão disponíves. O InnoDB possui recursos para garantir mais integridade nos dados, mas é mais lento que o MyISAM. O PostgreSQL pode ser mais lento ou mais rápido que o MySQL utilizando o InnoDB, dependendo das configurações e recursos utilizados.

Trocando em miúdos

O MySQL pode ser sim uma boa opção em sistemas mais simples e bases menores, como um site ou um sistema que não tenha milhares de usuários concorrentes. Para sistemas mais complexos, que necessitam de maior integridade nos dados, que possuem milhões de linhas e vários TeraBytes de informação, o PostgreSQL pode ser a melhor opção. Mas lembre-se que em ambos existem várias configurações que podem ser feitas para melhorar vários aspectos. Se você lê em inglês, pode encontrar bastante informação aqui: http://www.wikivs.com/wiki/MySQL_vs_PostgreSQL e aqui http://wiki.postgresql.org/wiki/Why_PostgreSQL_Instead_of_MySQL_2009.


EnterpriseDB lança versão comercial e ferramentas de segurança para o PostgreSQL 9

Essa semana a EnterpriseDB, a maior empresa prestadora de suporte comercial ao banco de dados PostgreSQL – o mais importante banco de dados livre atualmente – lançou o Postgres Plus Standard Server 9, que é uma versão comercial do PostgreSQL 9 lançado pela comunidade em setembro de 2010. A empresa também lançou ferramentas desenvolvidas para auxiliar os usuários do banco a ter mais segurança em suas bases e seus códigos.

“O Postgres Plus Standard Server 9 inclui todas as atualizações liberadas desde setembro”, informa Robin Schumacher, diretor de estratégia de produto na EnterpriseDB para a InternetNews.com.

Foram lançada três ferramentas. São elas:

Fonte: http://itmanagement.earthweb.com/secu/article.php/3921476/EnterpriseDB-Releases-New-Postgres-Plus-Security-Tools.htm


Como as grandes empresas de tecnologia criaram seus nomes

Muitas vezes vemos os nomes das grandes marcas de empresas de tecnologia e não fazemos a mínima idéia de o que eles significam ou como foram criados. Agora você vai saber que é bem mais simples do que parece!

Apple
Era a fruta favorita (maçã) de Steve Jobs.

CISCO
É a abreviatura de San Francisco.

Corel
É derivado do nome do fundador (Dr. Michael Cowpland): COwpland REsearch Laboratory.

Google
Foi uma brincadeira sobre a quantidade de informação em que o sistema de busca seria capaz de procurar. Foi chamado originalmente de ‘Gogol’, que representa um número seguido de cem zeros.

Hotmail
O fundador Jack Smith teve a idéia de acessar o e-mail pela web de qualquer computador no mundo. quando Sabeer Bhatia entrou no negócio, tentou vários nomes terminados com ‘mail’, e finalmente incluiu as letras HTML. Finalmente ficou: HoTMaiL.

Intel
Bob Noyce e Gordon Moore queriam usar o nome ‘Morre Noyce’, mas já tinha sido registrado por um hotel. Então criaram a palavra a partir de INTegrated ELetronics.

Lotus (Notes)
Mitch Kapor usou a palavra a partir da posição de Lotus ou ‘Padmasana’. Kapor foi professor na Transcedental Meditation of Maharishi Mahesh Yogi.

Microsoft
Vem de MICROcomputer SOFTware. Primeiro se escrevia “Micro-Soft”, mas depois o hífen foi removido.

ORACLE
Larry Ellison e Bob Oats trabalhavam em um projeto da CIA. Depois que o projeto acabou eles usaram o nome para a empresa.

SUN
Fundada por quatro colegas da Universidade de Stanford, é uma abreviatura de Stanford University Network

Yahoo!
A palavra foi inventada por Jonathan Swift e usada no seu livro “As viagens de Gulliver”. Representa uma pessoa que é repulsiva em sua aparência e em suas ações. Jerry Yang e David Filo se consideravam yahoos.


  • Publicidade

  • Redes Sociais

    Facebook  Twitter
  • Projetos Paralelos

  • Estatísticas

    Page Views (desde março de 2010):

    Estatísticas detalhadas
  • Novidades por e-mail!

    Digite seu e-mail:


    Fique tranquilo. Seu e-mail não será usado para outros fins, e você poderá se descadastrar quando quizer.

    Eu!

    Tiago Passos
    Todo o conteúdo desse site esta licenciado sob a licença Creative Commons 3.0 (CC BY 3.0). Você pode copiar e modificar o conteúdo desde que cite o autor.
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress